quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

O Equilíbrio Entre O Amor E O Dever



] Fonte [


INTRODUÇÃO:
Em algumas vezes quando minha mãe mandava-me realizar algumas tarefas, nem sempre as fazia com grande amor e quando as terminava de fazer, por vezes chegava junto de minha mãe e dizia:
- "Mãe já fiz o que mandaste"
Então em resposta ela dizia:
- "Não fizeste mais do que teu dever e obrigação"
Devo dizer que estas palavras não me serviam de grande consolação e ânimo para que noutra altura fizesse o que me era pedido, mas lá tinha que ser e mãe é mãe ...
Hoje entendo que há tarefas que devemos realizar que pelas quais não devemos esperar que alguém ou o mundo inteiro nos aplauda.
Jesus em certa altura mostrou esta realidade, quando contou uma parábola e nesta incluiu as seguintes palavras:
7  E qual de vós terá um servo a lavrar ou a apascentar gado, a quem, voltando ele do campo, diga: Chega-te, e assenta-te à mesa? 8  E não lhe diga antes: Prepara-me a ceia, e cinge-te, e serve-me até que tenha comido e bebido, e depois comerás e beberás tu? 9  Porventura dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? Creio que não. 10  Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer. (Lc 17.1-10)

A IMPORTÂNCIA DO AMOR
"Todas as vossas coisas sejam feitas com amor." (1Cor 16:14)
Pensemos:
  • Quantas coisas nós fazemos, simplesmente por fazer?
  • Quantas tarefas realizamos simplesmente pela obrigação do dever?
Agora pergunto: Será que o mesmo não acontece em relação a Deus?


O dever é apenas uma muleta quando nós não sentimos verdadeiro amor por aquilo que fazemos. É um erro usarmos uma muleta, quando temos as duas pernas para andar ou estas são saudáveis, como certa vez li.
Muitos têm olhado para a igreja como alguma instituição que tem as suas devidas regras, e sem dúvida que as tem, mas pergunto...

De que serve incutir nas pessoas para que elas tenham uma linguagem sã e irrepreensível, se elas não nasceram de novo?
De que serve incutir nas pessoas para que elas tenham uma forma de vestir biblicamente decente e modesta se estas não nasceram de novo?
De que serve levar as pessoas a pensarem nas coisas que são de cima, se ainda não nasceram de novo?
De que serve mostrar as pessoas a necessidade de orarem e lerem e virem aos cultos se elas ainda não nasceram de novo?
Não há dúvida que gerir tudo isso não é de forma nenhuma fácil e achar um equilíbrio entre a necessidade de pregar e ver a vida das pessoas mudarem com a pregação do Evangelho, não é coisa fácil de se "conseguir" e ver.

Chego a determiado ponto da história de Israel e apercebo-me que a a Lei havia perdido todo o real propósito na vida desta gente. Deus pretendia que o Seu povo O conhecesse através da Lei e pudesse assim desenvolver uma verdadeira paixão e amor pelo Seu Deus. Mas isso não aconteceu.
8 A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. 10 O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor."  (Rom 13:8,10)

Por esta razão o povo de Israel e isso também nos toca a nós, tinha apenas uma vida tão cheia de nada, que apenas havia condenação ante o conhecimento que tinham da Lei de Deus. Gostaria de deixar algumas destas irregularidades que encontro nas Escrituras:


a) O povo tinha um coração de pedra não um coração de carne
"E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne;" (Ez 11:19)
"E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne."  (Ez 36:26)

b) O povo tinha o prepúcio circuncidado e não o coração:
"E o SENHOR teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares ao SENHOR teu Deus com todo o coração, e com toda a tua alma, para que vivas." (Deut 30:6)
28 Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. 29 Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus." (Rom 2:28,29)
"Porque em Jesus Cristo nem a circuncisão nem a incircuncisão tem valor algum; mas sim a fé que opera pelo amor."  (Gál 5:6 comp. 6.15 Filip 3:3, Col 2:11)

c) O povo tinha a Lei escrita em pedras ou em papiros
O desejo de Deus é que Sua Lei fosse escrita em seus corações para que eles pudessem aprender a amar a Deus de todo o seu coração.
Então disse o SENHOR a Moisés: Sobe a mim ao monte, e fica lá; e dar-te-ei as tábuas de pedra e a lei, e os mandamentos que tenho escrito, para os ensinar. (Êx 24:12)
Então vos anunciou ele a sua aliança que vos ordenou cumprir, os dez mandamentos, e os escreveu em duas tábuas de pedra. (Deut 4:13)
10 E o SENHOR me deu as duas tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus; e nelas estava escrito conforme a todas aquelas palavras que o SENHOR tinha falado convosco no monte, do meio do fogo, no dia da assembléia. 11 Sucedeu, pois, que ao fim dos quarenta dias e quarenta noites, o SENHOR me deu as duas tábuas de pedra, as tábuas da aliança.  (Deut 9 10,11)
"Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. (2Cor 3:3 comp Deut 28.5,8, Heb 8.10)

Talvez queremos que as pessoas primeiro faças as coisas certas para depois amarem a Deus, isto é completamente errado. O Senhor disse o que era necessário em primeiro lugar:
"Amarás, pois, o SENHOR teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças." (Deut 6:5 comp. 11.1)

d) O povo lia a Lei com os olhos errados
"NAQUELE tempo passou Jesus pelas searas, em um sábado; e os seus discípulos, tendo fome, começaram a colher espigas, e a comer. 3  Ele, porém, lhes disse: Não tendes lido o que fez Davi... 5 Ou não tendes lido na lei que... 7 Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes. 8 Porque o Filho do homem até do sábado é Senhor. (Mat 12:1,3,5,7,8)
Perguntar se os fariseus não tinham lido era uma ofensa. Os fariseus estavam habituados a Ler mas a sua forma de leitura não consistia em trazer para a prática de seus dias a realidade da vontade divina. Que Deus nos livre de sermos este tipo de leitores

e) O povo rasgava as roupas e não o coração
"E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal." (Joel 2:13)
Parece que havia muita roupa rasgada, muito tecido, mas o povo não estava sendo capaz de rasgar o coração perante Deus.

Rasgar as vestes era sinónimo de:

  • Luto: (Gên 37:34, 2Sam 13:31)
  • Sinal de aflição (2Reis 5:7; 2Reis 19:1; 2Reis 22:11, Est 4:1, Jó 1:20, Esd 9.5, 2Cron 34.19);
  • Sinal de blasfémia (Mat 26:65, Act 14.14,15);
  • Sinal de arrependimento (Jos 7:6, 1Reis 21:27)
Portanto todas estas atitudes tinham um valor real para os judeus porém, com o passar do tempo perdeu seu verdadeiro significado, eram apenas actos exteriores sem qualquer valor para Deus.

Receio que eu e outros que conheço venham a cair nestes actos exteriores, neste vazio religioso. Que Deus possa derramar em nós um verdadeiro amor à Sua pessoa e Palavra e aquilo que Ele mandar fazer façamos de todo o coração, com todas as forças e entendimento. Só assim encontraremos o verdadeiro equilíbrio de uma vida cristã saudável.

Pense Nisso! Deus abençoe!

0 comentários:

Enviar um comentário

Seus comentários são importantes para o blog. Deixe sua apreciação negativa ou positiva, mas não seja neutro.

Reservo-me no direito de não publicar comentários anónimos, caso entenda como necessário ou qualquer outro tipo de comentários que saia da orientação do blog.
Qualquer tipo de comentários que traga linguagem abusiva ou ofensiva de igual modo serão descartados.