domingo, 27 de junho de 2010

Lendo a Bíblia Como Obra de Valor Espiritual. III Parte


Muito se lê sobre a Bíblia, porém bem pouco se lê nela e nela se medita. Creio que isto pode de forma singela descortinar a realidade daquilo que Deus espera de cada homem, mulher e criança que se chega a este livro de cariz acima de tudo espiritual.

Determinado estudo concluiu que 90% dos cristãos não lêem a Bíblia diariamente. O que também é um forte sintoma de doença espiritual e de futuro desastre em suas vidas. Estas pessoas constituem o principal alvo dos críticos e destruidores, em outro "post" mencionado(veja aqui). Temos o conselho para amarmos este livro e o lermos diariamente. (Slm.119:97). Paulo também aconselha a Timóteo: “Persiste em ler...” ( 1Tm.4:13)

Não podemos olhar para a Bíblia como um livro que contém a palavra de Deus, mas sim como sendo a Palavra de Deus, não parcial mas como um todo. Ai de nós, quando soar em nossos ouvidos e dermos lugar à antiga pergunta: “É assim que Deus disse?” (Gn. 3:1). 
Se não crêssemos nesta inspiração plenária e totalmente divina, que fundamento haveria então para a nossa fé? 
Muito antes pelo contrário, estaríamos constantemente a interrogar-nos: É isso ou aquilo palavra de Deus? 
É esta, ou aquela passagem inspirada por Deus ou de autoria humana? É actual para mim ou está ultrapassada? 
A própria Bíblia diz em II Tm.3.16: “Toda a Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça.” A palavra que do original grego se traduz como “inspirada” é: Theopneustos que significa: “respirado ou expirado por Deus.” 
Vejamos que todos os benefícios que ela contêm: ensinar, redarguir, corrigir e instruir em justiça encontram-se no tempo presente porém num presente contínuo, ou seja, ainda é para nós, não sendo apenas parte, mas toda: Antigo e Novo Testamento.

Alguém disse que a Bíblia é sem dúvida a Palavra de Deus escrita na linguagem dos Homens. Não há dúvida que a Bíblia é uma das formas que Deus usa para se revelar a nós. Este deve ser o espírito que em nós deve existir, quando nos aproximamos deste livro Sagrado. Faz-se necessário aproximarmo-nos deste livro estando em harmonia com o espírito do próprio. É necessário sentirmos a necessidade de fazermos de suas palavras um molde de vida, como nos mostra Jesus, tendo dito: “Todo aquele, pois, que escuta estas minhas palavras e as pratica, assemelha-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha;” Mt.7:24. Notemos a presença da necessidade de: Ouvir e praticar.

A influência da Bíblia na vida das pessoas é tal que pode chegar ao seguinte. Conta-se que um negociante visitou África e viu um indígena a ler a Bíblia, e disse a zombar: “Esse livro é muito antiquado no meu país”. Sim, respondeu o nativo. Se fosse muito antiquado aqui, você já teria sido comido, porque sou canibal convertido ao Evangelho”. Quem não gostaria de encontrar um canibal destes?
É necessário afirmar que não há outro livro que pode ser chamado de infalível e imutável. Negar esta infalibilidade e inerrância é o princípio da nossa desgraça, o que Charles H. Spurgeon chamou de: O declínio.

Deixando Que Famosos Testemunhem
O famoso conquistador Napoleão Bonaparte disse: “O Evangelho não é meramente um livro, mas uma força viva. Um livro que sobrepuja a todos os outros. A alma jamais pode vaguear sem rumo, se tomar este livro como guia.”

Abraão Lincoln, duas vezes eleito presidente dos Estados Unidos da América disse: “Creio que a Bíblia é o melhor presente que Deus jamais deu ao Homem. Todo o bem da parte do Salvador do mundo, nos é transmitido mediante este livro.”

É também de Spurgeon as seguintes palavras: “Já li a Bíblia cem vezes. À centésima vez achei-a incomparavelmente mais preciosa, que a primeira” .

Robert Lee disse: “Em todas as minhas dificuldades a Bíblia nunca deixou de fornecer luz e auxílio.”

Lutero em certo momento de sua vida também pude afirmar: “Estudar a Bíblia é como juntar maçãs. Primeiro sacudo toda a árvore e assim cai a fruta mais madura. Depois subo ao tronco e sacudo cada galho, depois cada ramo e por fim, busco debaixo de cada folha..”

Um determinado professor, de nome Bettex também disse: “A Bíblia é um livro que responde às perguntas das crianças e resiste à soberba dos sábios.”

Enrietta Mears respondendo a quem deve ler a Bíblia disse: Os jovens para saberem como viver, os idosos para saberem como morrer. Os ignorantes para obterem sabedoria, os sábios para obterem humildade. Os ricos para serem advertidos e os pobres para serem enriquecidos.

Outro pensamento sobre a Bíblia desta vez vindo de Jorge Muller: “Li a bíblia muitas vezes” e no final da vida disse: “Agora é que eu estava compreendendo-a”

Billy Graham, também afirmou: “A Bíblia é mais actual do que o jornal que vai circular amanhã”


Use e Abuse da Bíblia
Segundo um estudo realizado com respeito às promessas bíblicas concluiu que: há mais de trinta e duas mil promessas em toda a extensão da Bíblia.
A Bíblia portanto deve constituir para os cristãos a única regra de Fé e o único meio de guiarem suas vidas. Embora para muitos, possa parecer um absurdo esta atitude, de buscarmos nela(Bíblia), os conselhos para as nossas decisões do dia a dia, dando ouvidos à voz do Deus Criador, contudo poder-se-à dizer que muitos já o fizeram, outros ainda fazem e de maneira alguma puderam e podem dizer que ficaram desiludidos, enganados e frustrados. 

À parte disto talvez, algumas destas bocas críticas são capazes de gastarem o dinheiro, colocando-o numa máquina em um shooping ou até investindo-o nas chamadas “revistas cor-de-rosa” para aí verem, o que o horóscopo ou o seu signo as reserva para a semana ou determinado dia. 
Informações como: Que roupa vestir e cor, o número da sorte, como estará seu estado de espírito ou de humor, o nível do amor, se é ou não um bom dia para fazer-se negócios ou até sair de casa, e coisas semelhantes a estas, leva estas pessoas agirem numa forte dependência sendo mesmo um género de prisioneiras do que está lá escrito. 
O maior flagelo consiste em que por vezes, os chamados cristãos, deixam-se conduzir e levar por estas coisas e achando até graça, não vendo pois mal nenhum nisso. O salmista diz no Slm.119:105: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho”. 
Alimentam-se destas coisas e esquecem o que diz o patriarca (23:12) “Do preceito de Seus lábios(de Deus) nunca me apartei, e as palavras da Sua boca prezei mais do que o alimento.”

Jesus também enalteceu a Palavra de Deus mais do que o próprio pão quando afirmou: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”(Mt.4:4)

As palavras de Deus são verdadeiras e eternas, e portanto dignas de toda a aceitação(Slm.119:142,160), pois “Deus não é homem para que minta;...” (Nm.23:19, 1Sm.15:29, Tt.1:2, Hb.6:18).

Bem-aventurado o Homem, mulher e criança que: “tem o seu prazer na Lei do Senhor, e na Sua Lei medita de dia e de noite” (Slm.1:2)


Conclusão:
Se na I e II parte ficou muito por dizer, nesta maior consciência tenho desta realidade e necessidade de mais expor sobre os benefícios encontrados nas Escrituras, na Bíblia Sagrada, e o modo correcto de olharmos para a mesma.
Gostaria de realçar que os cristãos devem e amam a Bíblia porém isto não significa que esta deve ser idolatrada(Bibliolatria), colocando-a assim, acima de Seu Autor. A Bíblia sem Deus perde o seu valor porém sem a Bíblia não podemos conhecer Deus. Este é o olhar ou a visão espiritual.

Oro e espero para que, este artigo sirva de benção e enriquecimento, para a vida dos meus amados irmãos e prezados leitores. Você amigo e irmão tem dado a atenção devida à Palavra de Deus? Já a leu hoje? Vá corra e alimente sua alma!

0 comentários:

Enviar um comentário

Seus comentários são importantes para o blog. Deixe sua apreciação negativa ou positiva, mas não seja neutro.

Reservo-me no direito de não publicar comentários anónimos, caso entenda como necessário ou qualquer outro tipo de comentários que saia da orientação do blog.
Qualquer tipo de comentários que traga linguagem abusiva ou ofensiva de igual modo serão descartados.