terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Como Jesus Pode Estragar o Nosso Natal



Nota:
Esta é um resume da mensagem que expôs para a Igreja, no dia 22 de Dezembro de 2013


"E Simeão os abençoou, e disse a Maria, sua mãe: Eis que este é posto para queda e elevação de muitos em Israel, e para sinal que é contraditado" [para ser alvo de contradição/ provocará contradições] (Lc 2:34)


PORQUE O NASCIMENTO DE CRISTO É IMPORTANTE ?
Talvez alguns dirão: “Porque assim temos mais um feriado”
Outros: “Porque assim temos festa, momento do ano tão alegre com luzes, comida, convívio, reunião de família, presentes, etc.”
Para outros ainda: Jesus torna-se uma marca, que à conta d'Ele muito se negoceia.
Para outros: “não faz absoluta diferença”

CONSEQUÊNCIAS DE PENSAR EM JESUS APENAS NO NATAL
Não será verdade que uma boa parte das pessoas lembra-se de Jesus, mais neste época?
Se Jesus é, ou foi, uma pessoa tão importante porque pensa-se ou fala-se tão pouco n'Ele? [ainda que Ele seja muito falado, mas não com o rigor devido]
Qual o lugar que Ele ocupa na minha mente e coração?
Será que estamos tão distraídos como muitos estavam, quando Ele nasceu em Belém ?
Quais são, os perigos de pensarmos em Cristo apenas e mais nesta época?

(1) A mensagem de Jesus torna-se demasiado superficial
Há pessoas que sabem que Ele nasceu e ficam exatamente por aí.
Já que Jesus é tão importante ou pelo menos “famoso”, porque existe uma ideia tão superficial d'Ele?

(2) A mensagem torna-se pouco comprometedora
De que forma o nascimento de Jesus compromete-me?
Se possuo uma ideia superficial de Jesus e se não sei muito bem porque Ele nasceu, de que forma isso irá comprometer-me?
O compromisso cresce na medida do conhecimento. E o conhecimento da pessoa e obra de Jesus torna-se em certa medida constrangedor.

(3) A mensagem torna-se distante
Numa era distante - Há 2000 anos atrás. 
Num país distante - Na Palestina
Numa cultura diferente.
De que forma alguém que nasceu há cerca de 2000 anos possui um pêso para minha vida hoje?
Talvez não deva pensar n'Ele a não ser como um personagem, talvez, historicamente, quando assim é, relevante. Se o conhecimento é pouco, então, a mensagem distancia-se do personagem.

Algumas perguntas:
Porque Cristo nasceu?
Seu nascimento foi intencional, planeado?
O que O diferencia de outras crianças que nasceram?
O que torna seu nascimento tão invulgar ?
Nascer numa estrebaria ?
É uma questão religiosa que está em causa ?
De que forma seu nascimento influencia minha vida?
E se Ele não nascesse? O que mudaria para mim?


COMO SEU NASCIMENTO PODE TORNAR-SE ALGO INCOMODO ?
É tentador ficar com algumas partes da História de Jesus Cristo, principalmente a do menino Jesus.
O problema é que a criança de Belém cresceu e tornou-se um Homem que abalou muitas estruturas.
Será que Ele veio apenas ...
Para abalar Sua comunidade?
Abalar a religião judaica?
Abalar os preconceitos do passado?
Abalar os maus e os hipócritas da época?


COMO O NASCIMENTO DE JESUS IMPLICA E COMO PODE SER INCÓMODO?


1. O NASCIMENTO DE JESUS, REVELA MINHA INCAPACIDADE DE SALVAÇÃO:
"E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará ..." (Mat 1:21)
Ninguém gosta de sentir-se ou ser incapacitado em alguma parte. Esta é uma realidade, com a qual, temos de lidar todos os dias, mesmo no plano humano.
Quando falo num tipo de incapacidade espiritual, quanto à salvação não pretendo dizer que pelo fato de não poder salvar,-me não haja uma solução. Claro que há.
"Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor."  (Lc 2:11)
"E diziam à mulher: Já não é pelo teu dito que nós cremos; porque nós mesmos o temos ouvido, e sabemos que este é verdadeiramente o Cristo, o Salvador do mundo."  (Jo 4:42)
"... o Pai enviou seu Filho para Salvador do mundo."  (I Jo 4:14)


2. O NASCIMENTO DE JESUS, REVELA QUE ESTOU PERDIDO
"Porque o Filho do homem veio salvar o que se tinha perdido."  (Mat 18:11)

É aqui que as coisas de alguma maneira começam a pesar e a incomodar-nos.
A Palavra de Deus sempre mostra o homem num estado distante de Deus, por causa dos seus pecados. O pecado nos distancia d'Ele.
"… porque se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados."  (Jo 8:24)
"E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados." (Mat 1:21)

Porque, “Ele salvará o seu povo dos seus pecados”?
Reconheço que sou pecador?
Reconheço que estou perdido?
Se não, então é sinal que o Natal, nascimento de Jesus, não significa nada para nós.
A tentação é generalizar a palavra “pecador” e começarmos a pensar:
Quem não é? Quem não falha?
"Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós."  (I Jo 1:8)
Exatamente! Se temos este raciocínio, então estamos certos, e...
Ele veio a pensar em mim e para mim.
Estar perdido, não é a mesma coisa que permanecer perdido.
Estamos nós dispostos a aceitar quem nos veio salvar?
Quem sente-se perdido sempre está procurando um luz, um suporte, um ponto orientador.

No meio da tragédia de um naufrágio:
Eu preciso de um Salvador
Eu preciso reconhecer que estou perdido:
11 Não há ninguém que entenda; Não há ninguém que busque a Deus. 12 Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só. Rom 3.11,12

E o melhor que eu sou, naquele momento não pode-me ajudar. Por isso ...


3. O NASCIMENTO DE JESUS, REVELA MINHA INCAPACIDADE MORAL:
"Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,"  (Tt 3:5)

Quão bom eu sou? Como vejo-me?
       O que eu espero alcançar com toda a minha moralidade e bondade?
Todos nós, de forma ou outra, nos consideramos boas pessoas. [geralmente procuramos alguém que seja pior do que nós, mas é tão difícil apontar alguém que seja melhor]
Mas para quem está à deriva num oceano, a moralidade não é de grande valia. Experimente perder-se numa viagem e depois diga que é boa pessoa, a ver se isso o traz de volta ao sítio. Mas é isso, de forma figurada, que as pessoas estão fazendo.
Jesus veio salvar o perdido, Ele nasceu para este fim, e as pessoas perdidas estão dizendo: “Eu sou muito bom”.

Para sabermos se somos realmente boas pessoas, temos que ter um padrão de avaliação.
Quem nos confere este padrão?
Onde o vamos buscar?
Nasceu connosco? Ou simplesmente... 
Agimos como nos parece melhor?

Mas pense: Se moralidade salvasse, porque eu precisaria de Jesus?

Falamos em que Jesus nasceria para salvar o povo dos seus pecados.
Mas o que é pecado?
Pecado significa originalmente: “errar o alvo”, “transgredir as normas”
Quais? As minhas? As da sociedade? As da família?
Não! As de Deus.

E como conheço a Vontade de Deus ?
Pela Sua Palavra.
"…. Mas eu não conheci o pecado senão pela lei; porque eu não conheceria a concupiscência, se a lei não dissesse: Não cobiçarás." (Rom 7:7)

Façamos um teste à nossa moralidade à luz do que Deus diz:
Pensemos quão bom nós somos à luz de alguns mandamentos:
Já mentiste? Então transgrediste!
Já desobedeceste a teu e tua mãe? Já transgrediste!
Já cobiçaste algo que não te pertence? Já transgrediste!
Já usaste alguma vez o nome de Deus em vão? Já transgrediste!

Se transgredimos e a Palavra de Deus diz que toda a transgressão receberá a sua devida e justa recompensa. Como penso me livrar de tais pecados?

A palavra de Deus também diz:
"... o salário (a recompensa, o ganho) do pecado é a morte,..."  (Rom 6:23)

Mas alguém dirá: “Isso é um absurdo pois isso é impossível de ser cumprido”
Quem consegue amar a Deus sobre todas as coisas?
Quem é que nunca mentiu?
Quem nunca cobiçou?
Quem nunca desobedeceu?
Quem nunca usou o nome de Deus em vão?
Quem nunca levantou falso testemunho contra o próximo?
Quem nunca se amou mais a si do que o próximo?

Exatamente! A palavra de Deus diz mesmo isso:
10 Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer. 23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; (Rom 3:10,23)

Ainda diz:
"Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos." (Tg 2:10)
-Todos estão debaixo da desobediência:
"Porque Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia." (Rom 11:32)

Ainda considero-me um boa pessoa, mesmo sendo mentiroso?
Ainda considero-me boa pessoa mesmo sendo desobediente aos pais?
Ainda considero-me boa pessoa mesmo cobiçando o que não é meu?
Ainda considero-me boa pessoa levantando falso testemunho?
"Porque qualquer que guardar toda a lei, e tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos." (Tg 2:10)

Mas se todos fazem e eu também o faço, que tipo de boa pessoa eu sou?
Eu continuo na mesma situação, diante de Deus. Isso não alivia em nada o que realmente sou.

Se um dia, Deus nos chamar a contas - Ele o fará, podemos estar certos;
O que iremos dizer a Ele, sobre os nossos pecados e violações à sua Lei?
Que todos fazem? É desta forma que nos iremos justificar?

As boas novas é que Ele veio para nos libertar dos nossos pecados. Como?
  • Ele toma os nossos pecados sobre si:

"O qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação."  (Rom 4:25, Gál 1:4, I Pd 2:24, I Jo 2:2; 4:10)

  • A Sua justiça nos é imputada.
O que significa justiça imputada?
Ele foi perfeito, nunca jamais pecou e somente Ele conseguiu cumprir todos os mandamentos que nós não conseguimos:
"E bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado."  (I Jo 3:5 Comp.: Lc 23:41, Jo 8:46, At 3:14; 13:28, 2Co 5:21, Heb 4:15; 7:26, 1Pe 2:22)

Isso por meio da fé:
"Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença."  (Rom 3:22; Comp. Rom 10:4, Gál 2:21, Filip 3:9)

Como Jesus toca e troca minha moralidade:
Alguém dirá: “Mas eu conheço pessoas que não são crentes, nem sequer acreditam em Deus, que são melhores do que algumas que têm sempre Deus na boca.”

Algumas considerações:
Deus na boca, não significa Deus no coração e vida
"E ele, respondendo, disse-lhes: Bem profetizou Isaías acerca de vós, hipócritas, como está escrito: Este povo honra-me com os lábios, Mas o seu coração está longe de mim;"  (Mc 7:6)

O que outros são ou não, não isenta-me da responsabilidade pessoal diante de Deus
Lembre-se do exemplo do polícia. A responsabilidade é pessoal e intransmissível.
Quando usamos este tipo de argumentos queremos apenas espantar de nós uma decisão, que nos compete.
21  Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será? 22  Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu. Jo 21.21,22

Para ser-se boa pessoa não precisamos de Deus
Para isso Jesus não nasceria. Pensemos: Já não haveria grandes mestres que ensinariam princípios de vida semelhantes aos de Jesus? Claro que sim.
Mas o que está em causa não são princípios de vida é a nossa relação com Deus. E a nossa relação com Deus não depende de quão bom somos, mas sim, como olhamos para a pessoa de Jesus Cristo.
Esta é, uma confusão que muitas vezes é feita e torna-se ilusória. Possui um poder ludibriador muito grande. É rara a pessoa que não puxa de sua moralidade, para se justificar diante dos homens em relação a Deus.

“Há pessoas longe de Deus, melhores do que os que estão perto?”
Claro que sim!
Deve haver muitas pessoas no mundo, que moralmente, são melhores do que eu.
Deve haver muitas pessoas no mundo, muito mais filantrópicas do que eu.
Há muitas pessoas que fazem pelo seu país, sua cidade mais do que eu.
Deve haver muitas pessoas no mundo mais zelosas do que eu em muitas áreas.
É possível encontrar melhores pais não cristão do que cristãos
É possível encontrar melhores cônjuges não cristão do que cristãos
É possível encontrar melhores filhos não cristão do que filhos cristãos.

Em qualquer parte do mundo, é possível encontrar pessoas não cristãs, que nem sequer celebram o Natal, melhores do que os cristãos que o estão celebrando nesta época.
Mas isto não é o que está em causa; Se fosse assim Jesus não teria nascido.

A Questão: Não melhorando em relação aos outros mas a si mesmo:
A comparação que deve ser feita não é em relação aos outros, mas em relação a nós mesmos.
A pergunta não é: Sou melhor pai do que o meu vizinho é para seus filhos ?
Sou melhor marido/esposa do que meu amigo/a “x” ou “y”?
Mas sim:
  • Sou melhor pai desde que conheci a Cristo?
  • Sou melhor marido?
  • Sou melhor cidadão?
  • Sou mais humano?
  • Sou mais preocupado com o próximo?

"Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo."  (II Cor 5:17)
Se houver realmente uma melhoria testada e comprovada, então pode ser um sinal que Deus esteja trabalhando em nós e que o nascimento de Cristo não tenha sido em vão, pelo menos em minha vida.
Mas há algo mais profundo!

O QUE CRISTO VEIO TRAZER NÃO FOI UMA SALVAÇÃO BASEADA NAS OBRAS, MAS  NA SUA OBRA:

QUAL A VANTAGEM DA OBRA DE CRISTO EM RELAÇÃO À MINHA MORALIDADE  ?
  • 3.1. COLOCA-ME EM MEU DEVIDO LUGAR

Paulo era considerado irrepreensível, segundo a Lei, no entanto, ele reconhecia que possuía uma fraqueza tal, que jamais poderia satisfazer o padrão de Deus:
"Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo."  (Filip 3:7)
"Se convém gloriar-me, gloriar-me-ei no que diz respeito à minha fraqueza."  (II Cor 11:30; II Cor 12:5,9)
Quem se arma com tais pensamentos. Em quê e de que forma poderá gloriar-se?
A obra de Cristo, livra-me do orgulho. Diante de Deus toda a boca tem que se calar:
"Ora, nós sabemos que tudo o que a lei diz, aos que estão debaixo da lei o diz, para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus."  (Rom 3:19)
Se percebermos porque razão Cristo nasceu e veio até este mundo, isto resultará como um quebrantamento de nosso coração diante d'Ele.
"Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo."  (Gál 6:14)

Uma pessoa não cristã, jamais se irá gloriar na pessoa de Cristo, mas sempre orgulhar-se-à de sua moralidade e práticas.
"Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no SENHOR."  (II Cor 10:17)
"Mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me entender e me conhecer, que eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR."  (Jer 9:24)

  • 3.2. COLOCA-ME COMPLETAMENTE DEPENDENTES DA GRAÇA DIVINA

"Mas pela graça de Deus sou o que sou;..." (I Cor 15:10)

O que é a graça divina?
8  Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. 9  Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Ef 2.8,9

A graça não é apenas uma dádiva concedida de forma gratuita.
Se assim fosse, poderíamos ser levados a pensar, como muitas vezes o fazemos, que nossas ações são dignas de recompensa. A nossa relação para com Deus seria portanto, na base da troca: Eu sou bom e Ele me recompensa:
"Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus."  (Rom 4:2)

A graça é uma ação da parte de Deus para com o Homem, ainda que Ele não mereça:
"Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores."  (Rom 5:8)

Como sabemos que estamos constantemente a errar, e que não somos perfeitos, que estamos  transgredindo Suas leis, então, continuamos a depender da graça de Deus a cada dia, a cada hora:
"Não te lembres dos pecados da minha mocidade, nem das minhas transgressões; mas segundo a tua misericórdia, lembra-te de mim, por tua bondade, SENHOR."  (Slm 25:7)
22  As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; 23  Novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade. Lam 3.22,23

Muitas vezes, ouvimos pessoas dizerem: “ O que fiz para merecer isto de Deus?”
Pergunto: O que fazemos para receber gratuitamente o ar que respiramos?, pois … :
"... ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;" (At 17:25)

“Mas isto é natural!”, alguém dirá! Mas o fato de ser natural, não retira o mérito da dádiva.
Exemplo:
É natural que uma mãe amamente seu filho, cuide dele, no entanto isso não deixa de ser uma dádiva. É a mãe a dar-se e a doar-se.
E repare, que ela não faz isso como recompensa, mas como um impulso, uma lei que a leva a agir de tal forma. Aquilo que chamamos a lei superior do amor e um amor sem interesses.
Isso aplica-se a Jesus Cristo:
"O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, ..."  (Tt 2:14)
"O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, ..."  (I Tim 2:6)

Não podemos dizer que o filho merece, porque o merecer implica um retorno baseado em algo que foi feito primeiramente, e isto está longe de uma criança que acabou de nascer:
"Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?"  (Rom 11:35)

Isto é o que Deus faz connosco. Nós não merecemos, mas Ele nos concede, ainda que chamemos às suas dádivas (ex. vida, respiração, chuva) de coisas “normais”.
Porque a terra que embebe a chuva, que muitas vezes cai sobre ela, e produz erva proveitosa para aqueles por quem é lavrada, recebe a bênção de Deus; Heb 6.7

  • 3.3. COLOCA-ME NUM ESTADO DE APERFEIÇOAMENTO CONTÍNUO:

"Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus."  (Filip 3:12)
Enganadamente muitos chegam à conclusão que a perfeição é algo alcançado num determinado momento, quando atinge-se o controle de impulsos, de sentimentos, de emoções, etc.
Isto é um engano e a Bíblia afirma, que é impossível atingir a perfeição à luz da pureza e Santidade Divina. Porém este é um desafio para cada dia:
"Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus."  (Mat 5:48)

  • 3.4. CUMPRE-SE O DITO DE JESUS: NÃO VEIO BUSCAR OS SÃO, MAS OS DOENTES.

12 Jesus, porém, ouvindo, disse-lhes: Não necessitam de médico os sãos, mas, sim, os doentes. 13 Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. (Mat 9:12)
Quem são os justo no texto?
  • É aquele que não reconhece que é pecador
  • É aquele que não reconhece que depende da graça de Deus para viver

Será que eles não andam por aí hoje? Para estes, Jesus definitivamente não veio.
O mais interessante é que algumas destas pessoas, estão celebrando supostamente o nascimento de Jesus. Irónico, mas é verdade!

  • 3.5. REVESTE-NOS DE PAZ E DESCANSO

"Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei."  (Mat 11:28)
Muitas pessoas, estão cansadas de parecerem perfeitas para os outros.
Isto não é um convite ou desculpa à negligência, mas é um convite ao realce da graça de Deus em nossas vidas.
  • Há pais desesperados, porque não são aquilo que os filhos esperam
  • Há filhos desesperados, porque não conseguem ser aquilo que os pais estão esperando deles
  • Há cônjuges desesperados, porque o outro coloca a fasquia demasiadamente alta

E tudo isso, muitas vezes, entre pessoas denominadas cristãs.

Fora de Jesus, ouviremos apenas coisas do tipo:
“Faz o melhor que podes e serás feliz” e quando uma pessoa leva a sério o ”faz o melhor que podes”
Isso pode levar a pessoa a um total desespero, tendo em conta aquilo que se sabe: Ninguém é perfeito.
Quando esta expressão, é usada como desculpa tornamo-nos negligentes, quando é levada a sério leva-nos ao desespero.
O que é “o melhor que podes?” Qual o limite? Como sei que não poderia ser/fazer melhor?
Jesus ao nascer, veio com o propósito de nos proporcionar a paz e o descanso encontrado exclusivamente em Sua obra. Ele nasceu para isso.
Porque estamos a esbracejar, perdidos no oceano da vida e não descansando na obra de Cristo?

Descansamos, porque "ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados."  (Is 53:5)
A alma do homem não descansa naquilo que ele é, mas naquilo que Cristo é.

  • 3.6. LIVRA-ME DE UMA CONTABILIDADE ENGANADORA:

Em muitos momentos, possuímos a tendência de contabilizar o que fazemos de bom, afim de contrabalançar com o que fazemos de mau.
Quando os outros procedem mal para connosco, possuímos boa memória para não esquecer. Quando procedemos mal, rapidamente esquecemos e tentamos contabilizar o quão bom somos.

Quando somos acusados por alguém de alguma coisa errada que fizemos, à uma tendência natural de apresentarmos o nosso currículo de coisas boas.
“Só olhas isso? Não viste no outro dia? Só vês o mau”

Deus, não fará uma espécie de balanço entre as coisas boas e más. Ele apenas levará em conta, se nós realmente entendemos a obra de Cristo verdadeiramente e vivemos em prole disso.

  • 3.7. PRODUZ UMA BOA RAZÃO PARA O ARREPENDIMENTO:

"Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça."  (I Jo 1:9)
Quando as pessoas não entendem isto, podem cometer vários enganos. Por exemplo, elas podem pensar que as pessoas são cristãs simplesmente porque elas são boas, abnegadas, honestas, sinceras e cumpridoras do dever, como Jesus foi. 
Toda a pessoa que se chega a Cristo ela reconhece que se chegou a tal encontro foi pela graça de Deus. Quando ela fraqueja, quando ela falha, quando ela peca, ela sabe que a graça que a alcançou anteriormente pode novamente ser alcançada, por meio do perdão.


4. O NASCIMENTO DE JESUS, TRAZ-NOS UM EXEMPLO ÚNICO:
Com quem comparamos Jesus?
Ghandi
Madre Teresa de Calcutá
Buda
Confúcio
Aos filósofos (Platão, Aristóteles, Sócrates)

Nenhum outro grande líder pude dizer: “Eu sou o caminho, a verdade”
Tudo o que os grandes líderes faziam, era no máximo uma tentativa de apresentar um caminho à verdade e à felicidade. Jamais se intitularam como: “O caminho, A verdade”.
Isso são afirmações muito sérias para serem ditas por um líder. Mas foram ditas por Jesus.

Se não O destacarmos destas mais pessoas, nossa fé será absolutamente sincrética.
Ou seja, nós iremos colher o melhor de cada um deles e iremos tecer um manta para nos cobrirmos e sentirmo-nos verdadeiramente confortáveis.
Se o Natal não representa uma separação entre Cristo e os demais, então precisaremos de reavaliar nossos conceitos.

“Mas não posso pegar no melhor de cada um?” Claro que sim!
O único problema é que ao dizermos e fazermos isso, estamos a dizer que cada um deles, tem coisas que não podem ser aproveitadas. E como fica Cristo entre estes? [Já vimos que Ele era e é perfeito]
Algum líder mundial pode fazer a mesma pergunta: “Quem me convence de pecado?”
A palavra de Deus mostra que Ele é perfeito e isso é difícil de aceitar, pois traz uma reavaliação dos nossos padrões à luz d'Ele.

0 comentários:

Enviar um comentário

Seus comentários são importantes para o blog. Deixe sua apreciação negativa ou positiva, mas não seja neutro.

Reservo-me no direito de não publicar comentários anónimos, caso entenda como necessário ou qualquer outro tipo de comentários que saia da orientação do blog.
Qualquer tipo de comentários que traga linguagem abusiva ou ofensiva de igual modo serão descartados.